segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Oh Capitain...

Nada foi ganho. Mas que soube tão bem. Vencer o Porto nesta altura e ficar para já na frente isolados, não é muito mais que um bom início...mas mesmo assim é motivo de satisfação e nunca o contrário. Moderação pede-se e se os problemas não se encontram, para já, nos adversários em campo...podemos encontrar muitas e importantes ameaças dentro de casa. A entrevista de Adrien ao OJogo é um sinal de pressão, de alguma intransigência até, mas mais do que ser apenas um bom jogador Adrien sabe que é o Capitão de equipa e como tal, estará a ameaçar o seu estatuto de "exemplo" para o restante plantel. Ele sabe perfeitamente que com este presidente uma entrevista não autorizada é o pior começo que podia dar a uma tentativa de colocar o Sporting na mesa das negociações. Ainda estamos na ressaca da venda de João Mário, Slimani já fez as despesas de uma despedida por confirmar...e Adrien é uma carta do baralho com que o Sporting contava fechar a loja.

É normal que faça pressão, qualquer um de nós é sensível ao aumento exponencial que teria o seu ordenado...mas na equação do futebol não é só o interesse dos jogadores que conta e se o Leicester quer resgatar um capitão de equipa, terá de se aproximar bastante da sua cláusula de rescisão...o que até pela escolha do meio para condicionar o clube se prova que andará ainda longe de acontecer. Adrien sabe perfeitamente que para quem dizia há dias "só saio do Sporting quando for campeão" a sua mudança de agulha é uma pequena pedra no sapato dos muitos adeptos que o adoram, sabe perfeitamente que um Capitão com maíuscula não age desta maneira. E no Sporting, os capitães têm de ser e merecer esse estatuto.

Das duas uma: ou a proposta sobe dramaticamente ou Adrien fica. Não existe uma terceira ou quarta solução. Adrien não pode nem deve amuar apenas e só porque o clube o valoriza ao ponto de lhe dar a braçadeira e o mais alto salário do plantel. Há muito mais em jogo que dinheiro e fora hipocrisias, Adrien tem tanto a perder como o Sporting.

SL

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Os últimos dias de Mercado

Entramos nos últimos dias de mercado e a temperatura já começou a subir. André e Douglas na porta de entrada, Aquiiani e Naldo na de saída. Muitas outras operações se esperam no Sporting, principalmente o desfecho do processo de João Mário e o mais que provável assalto final da Premier League a Slimani. Até agora, e friso bem…até agora, o plantel tem crescido nas soluções e melhorado, a saída de Slimani ou João Mário mudará esse status muito rapidamente. Acima de tudo porque são atletas que não serão nada fáceis de substituir. Mesmo com dinheiro, muitos atletas não querem a Liga Portuguesa e os seus elevadíssimos impostos. Muitos clubes pedirão valores para lá da nossa capacidade e outros não querem mesmo vender nesta fase final de mercado. O desafio é enorme e porventura o mais que se pode esperar é sofrer perdas mínimas e nunca a obtenção de ganhos desportivos.
Muitos poderão achar que os “substitutos” já estarão escolhidos, mas eu duvido que isso passe muito para além de uma lista gravada numa folha de excel. Se pensarmos bem é completamente estúpido tentar acelerar planos B´s, simplesmente porque, dar a entender a um clube que se recebermos x de milhões o objectivo é adquirir o atleta y…é meio caminho andando para sobrevalorizar a escolha e provavelmente ver um rival chegar antes de nós ao negócio. Não. Penso mesmo que só quando existem indícios de negócio fechado se pode partir para uma abordagem ao mercado…o que no caso de Slimani ou João Mário indicará 2 ou 3 dias para fechar uma solução, o que olhando para a velocidade com que o Sporting negoceia (provavelmente discutindo euro a euro o impacto financeiro da operação) pode ser um desafio ainda mais árduo que o habitual.
Como em tudo nestas coisas da bola, só podemos confiar nas pessoas e aguardar pelo que conseguem resolver. BdC tem sabido nivelar por cima as grandes operações e assim o esperamos neste final de Agosto. 


SL

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Chegar à frente

O clássico contra o Porto chega numa altura curiosa e valendo o que vale, acontece na ressaca da 2ª mão do play-off de acesso à Champions. Estando o Sporting já apurado, ficará à espera de 1 de 2 resultados e circunstâncias distintas: 1/ recebe um Porto fragilizado por ficar fora de um grande objectivo da época (mas talvez até mais focado em fazer um bom resultado em Alvalade); 2/ apanha um Porto muito moralizado por uma qualificação por muitos já apelidada de "milagrosa", deixando para trás um adversário com melhor equipa, melhores jogadores e até melhor treinador.

Seja como for existem 3 vantagens leoninas: o repouso (não tenhamos dúvidas que o desgaste físico e emocional a que os jogadores do rival estarão sujeitos hoje vai fazer diferença, sobretudo numa fase onde as rotinas de jogo e atléticas ainda não "rolam sobre rodas"; o factor casa (Alvalade vai mesmo encher aproveitando o bom balanço inicial da equipa e os muitos emigrantes que ainda permanecem por Portugal em Agosto); a solidez táctica (o Sporting parece, para já, num plano de performance mais evoluído que o seu rival nortenho, as ideias de NES são ainda pouco presentes e sobretudo defensivamente a equipa não sustem bem os períodos de jogo em que se encontra em fase de bloco recuado - e será assim que assumirá o encontro em Lisboa).

Estas vantagens podem ter expressão no resultado, ou não, uma coisa é certa...tal como em muitos jogos onde o equilíbrio predomina, será a vontade de ganhar e a concentração competitiva que inclinará o terreno e elegerá o vencedor. Eu acredito que reunimos mais capacidade para tal, espero que os jogadores façam a sua parte. Ficar isolados na classificação à 3ª jornada, não sendo fundamental, é o início perfeito, considerando toda a histeria da pré-época face a resultados menos bons...é até uma enorme surpresa para quem acha que uma boa preparação é feita de grandes vitórias contra clubes amadores da Suiça ou do Luxemburgo.

SL

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

O que vale um negócio

Parece que a imprensa e alguns adeptos de outros clubes estão a acompanhar o processo de transferência de João Mário de forma muito especial. Eu sei que para os nossos rivais dói um bocado ver o tal clube que adoram menosprezar a negociar por valores que raramente chegaram na sua história, mas terão de entender que outros clubes, que não os Mónacos e os Atl.Madrids, apreciem a qualidade dos nossos atletas.

Provavelmente mal habituados por uma imprensa que destaca um perneta qualquer de camisola encarnada enquanto desvaloriza os grandes jogadores leoninos, os nossos "vizinhos" sofrem com a perspectiva de outros, que não eles próprios, verem a Europa a dar capas e a tecer elogios a atletas "made in" Alvalade. Eles sabem, por mais que não o admitam, que João Mário pode muito bem ser o primeiro de outros futuros a dar um novo estatuto ao Sporting, o de abastecedor de grandes jogadores para grandes clubes, com tudo o que isso implica de positivo quer para a saúde financeira, quer para o estatuto da sua formação.

Mas ainda assim, acho muito bem que BdC estique a corda até onde for possível, até onde for muito bem acautelado o valor que João Mário tem para o Sporting. Mesmo que isso implique a ruptura do negócio.

SL

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Problema, dilema ou constragimento

O que mais me preocupa nesta pré-época, muito mais que os resultados de amigáveis, é que venhamos a perder jogadores fundamentais da equipa. O ideal seria despachar, com negócios interessantes tudo o que não é solução para o plantel e substituir por novas promessas, obviamente melhores. Mas, como em tudo na vida, a realidade não se compadece com idealismos e será mais ou menos certo que iremos perder 1 ou 2 jogadores decisivos na estratégia de JJ.

Mas o maior problema nem sequer é esse. Perder um jogador no início da pré-época é duro, mas há tempo para negociar bem outra solução. Acontecer o mesmo a meio da preparação é ainda pior, pois o atleta terá de acelerar o seu processo de integração e os bons negócios já são mais complicados. No final de Agosto tudo é bem diferente. O que está disponível para negociar é muito caro e não será rentabilizado desportivamente nos primeiros embates do início da época.

Slimani, Patricio, Adrien, João Mário e William encaixam no perfil de jogador que pode vir a ter uma proposta de "última hora" irrecusável, tanto para o clube como para o jogador e aqui sim o Sporting pode vir a ter um verdadeiro dilema por resolver. Onde estarão os substitutos para qualquer um destes atletas? Quanto custarão? Quanto tempo levarão até entrar no esquema (intrincado) de JJ?

SL

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Um novo paradigma para a B

Apesar de ainda ser cedo para fazer análises à reformulação da equipa B do Sporting, ao dar uma olhadela aos dois amigáveis já realizados, fica a ideia de uma lógica mais musculada e atlética quanto à selecção do quadro de atletas. Embora seja discutível que isso per si irá trazer benefícios a longo prazo, é evidente que todos os detalhes contam na alta competição, até a altura, a passada e especialmente o poder de choque. E nisso esta formação poderá estar mais apta a dominar, com ganhos óbvios nos resultados dentro da Liga2 (onde a componente atlética é fundamental) e menos óbvios na canalização de talento para a equipa A.
Acima de tudo, o que pode fazer mesmo a diferença é a atitude competitiva dos atletas. Querer subir de escalão e chegar à equipa principal deve ser o objectivo máximo, mas na verdade muito poucos atletas jovens do Sporting têm entendido que para tal acontecer têm, mesmo, de se evidenciar, de exceder os padrões competitivos da Liga2. Essa mentalidade de superação tem estado bastante ausente, notando-se a espaços algum fulgor, mas sempre acompanhado por sintomas de facilitismo, que facilmente podemos comprovar na evolução dos resultados durante muitos dos jogos realizados nas últimas épocas.

SL

terça-feira, 19 de julho de 2016

Avaliação: Satisfaz menos

Fim de estágio na Suíça. Só JJ poderá dizer qual o ponto da situação, mas mais do que tomar o pulso ao que os jogadores são capazes de produzir bem, o treinador leonino deve ter enchido um bloco com o que ainda falta corrigir. É óbvio que há explicações para as exibições e principalmente para os resultados, mas mais importante do que justificar é emendar e separar o trigo do joio. Não se pode dizer que tenham surgido grandes afirmações ou surpresas e pior do que isso, das contratações feitas sobra uma noção de que nenhuma delas garantiu que pode ter para já a titularidade. Vale o que vale, mas aqui fica a minha avaliação:

Azbe Jug - Não comprovou ser solução caso Patricio, por qualquer motivo, não possa jogar. Empréstimo será a melhor solução.
Stojkovic - Sinceramente não consigo ver ainda um potencial que permita mais que rodagem na equipa B.
Max - Não jogou. Equipa B.
R.Patrício - Indisponível. (1)

Schelotto - Não esteve brilhante, mas está seguro na equipa com uma renovação bem recente. (2)
João Pereira - Dos melhores no tempo que teve, a mostrar que pode ser sempre opção. (3)
Zeegelar - Não aproveitou da melhor forma a “titularidade”, mas olhando às alternativas, está para ficar. (4)
Jefferson - Fisicamente uma lástima, pior só a atitude. Sem rasgo e velocidade (o seu forte) torna-se banal. Se for possível vender…
P.Oliveira - Pouco tempo de jogo, não deu sequer para ter uma noção do actual estado de forma. (5)
Naldo - Algumas desatenções, pouca destreza…uma pré-temporada para esquecer. (6)
Ewerton - Só na ultima partida teve tempo para mostrar que não está melhor que qualquer outro central. Na calha para sair.
Coates - Uma pequena lesão marcou todo este estágio e nota-se que não está na melhor condição física. (7)
R.Semedo - Mesmo com falhas importantes é o central que mais se aproximou ao valor demonstrado na época passada. (8)

William - Indisponível. (9)
Petrovic - Pode ser prematuro, mas ainda não parece apto para fazer as vezes de William. Há que dar o desconto de não ter tido um 8 para o auxiliar. (10)
Palhinha - Não se pode acusar o jogador de falta de empenho, sempre esforçado.
B.Paulista - Lesionado.
Wallyson - Lesionado
Adrien - Indisponível. (11)
Aquilani - Uma desilusão. Não está com a cabeça no clube e deveria ser transferido. 
R.Esgaio - De saída para o Rio de Janeiro. Deverá ser emprestado no regresso.
J.Mário - Indisponível. (12)
R.Gauld - 5 minutos de jogo. Deverá ser emprestado.
B.Cesar - O pouco que fez, garante para já um lugar certo na equipa. Estável. (13)
Iuri Medeiros - Tanto talento, mas pouco discernimento. Terá pouco tempo mais para segurar um lugar. Empréstimo pode ser hipótese.
Matheus P. - Tal como Iuri, precisa de jogar e firmar o talento que tem de forma mais assertiva e regular. Escolher um bom clube para rodar.
B.Ruiz - Um estágio de sacrifício. Jogar a 8…enfim… (14)
Mané - Se há jogador a precisar dos JO, esse é Carlos Mané. Pode ser transferido caso cheguem propostas condizentes com o seu valor.
G.Martins - O melhor jogador, sempre que esteve em campo. Se não chegar ninguém para as alas vai ser difícil que perca a titularidade. (15)

A.Ruiz - Bons detalhes (remate, passe, presença), mas ainda muito trabalho para fazer e quilos para perder. (16)
Spalvis - Lesionou-se e talvez tenha hipotecado a suas hipóteses, para já, na equipa A. Rodar na B até atingir a forma ideal.
Barcos - De quem mais se esperava ver alguma coisa. Pouco mostrou. Se surgir uma proposta convincente deve sair. (17)
Teo - De partida para o Rio e posterior transferência para a Argentina.
Podence - Dos poucos a evidenciar-se e a dizer que quer um lugar na equipa. Talvez o tenha ganho. (18)
Slimani - Mau início para o Argelino, mas dá a sensação que quando for necessário ele estará lá. (19)


SL